•  
     

Uma verdadeira história de superação!

São realmente incríveis as coisas que conseguimos fazer quando queremos. Não somos nada impossibilitados, somos capazes de superar as nossas deficiências e torna-las em algo normal, que "não" nos limita, e Claudio Luciano Duzik mostra que essa ideia de superar a si mesmo tem que vir para ficar.

Claudio nasceu com uma doença degenerativa chamada atrofia muscular espinhal, uma doença que afeta os músculos, deformando o corpo e limitando seus movimentos. Os médicos lhe deram apenas 14 anos de vida, mas mesmo assim, sua mãe lutou – e muito – para conseguir matriculá-lo em uma escola quando ele tinha apenas cinco anos de idade. Por causa da doença, Claudio não conseguia descer as escadas e acabava ficando sozinho na sala de aula.

Imagem

Foi somente na terceira série, graças a um professor que fez um projeto chamado “ajudante do dia”, que Cláudio pôde interagir com outras crianças e brincar. Por causa de sua condição, as crianças adaptaram as brincadeiras: na amarelinha, Claudio atirava as pedras, no pega-pega, ele era empurrado, e até caía às vezes, e nessas vezes ele não sabia se chorava de dor ou de felicidade.

Imagem

Com o passar dos anos, Claudio concluiu o ensino médio, e perdeu parcialmente o movimento das mãos enquanto cursava Psicologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mas mesmo assim ele se superou novamente. Enquanto no intervalo, ele ia à biblioteca para estudar informática para poder desenvolver o Mousekey, um teclado que escreve através do mouse e permite a comunicação via computador.

Hoje, Claudio tem 36 anos, já terminou a faculdade, fez mestrado e é funcionário da Secretaria de Educação. Sem contar que é professor da UFRGS, onde auxilia alunos no curso de educação à distância, sem falar que, em breve, irá dar uma palestra de acessibilidade no México, e não é preciso nem dizer o quanto sua mãe ficou orgulhosa com as realizações de seu filho.

Imagem

Essa é uma das poucas histórias que podem nos servir de inspiração em um dia difícil, sabendo que existem pessoas com muito mais dificuldades que nós e que eles são capazes de fazer também muito mais. Podemos não saber o que fazer em algumas situações, mas sabemos que sempre há algo que pode ser feito. Pessoas como Claudio não vivem somente para si, mas também para nos evidenciar do que somos capazes.


Fonte: MiniLua