•  
     

Obcecado por Libertadores, Corinthians dá vexame inédito

Imagem

O Deportes Tolima, de Medina, fez história ao derrubar pela primeira vez um time brasileiro na Pré-Libertadores

O Corinthians conseguiu na noite desta quarta-feira duas façanhas inéditas para os clubes brasileiros: ser eliminado na fase Pré-Libertadores e cair na competição continental sem marcar nenhum gol sequer. A derrota por 2 a 0 para o Deportes Tolima, na Colômbia, reduziu para apenas dois jogos a participação do time alvinegro na competição mais importante do continente sul-americano.
Obcecado pela conquista inédita do torneio continental, o Corinthians, ao contrário dos últimos anos, sequer investiu forte para a competição. Com apenas reforços coadjuvantes, a equipe comandada por Tite sofreu com a queda de rendimento iminente no final do Campeonato Brasileiro do ano passado e passou um vexame histórico.
Derrotado pelo Tolima nesta quarta-feira, o Corinthians já soma nove eliminações na Copa Libertadores. O time alvinegro caiu na primeira fase em 1977; nas oitavas de final em 1991, para o Boca Juniors, em 2003 e 2006, para o River Plate, e em 2010, para o Flamengo; nas quartas de final em 1996, para o Grêmio, e em 1999, para o Palmeiras; e em 2000 nas semifinais - melhor participação da equipe no torneio - novamente para o arquirrival de Palestra Itália.
O vexame inédito do Corinthians ocorre pouco mais de dois meses depois de uma queda inesperada do futebol brasileiro. No Mundial de Clubes, em dezembro, o Internacional perdeu por 2 a 0 para o TP Mazembe, do Congo, e acabou sendo o primeiro time do continente sul-americano a cair nas semifinais da competição.
Em contrapartida ao time paulista e ao arquirrival no torneio mundial, o Grêmio "salvou" a honra brasileira nesta quarta-feira. Com a vitória por 3 a 1 sobre o Liverpool, o clube gaúcho evitou o mesmo vexame corintiano e entrará no Grupo 2 da segunda fase da Copa Libertadores. A equipe de Renato Gaúcho enfrentará o Junior, da Colômbia, o Oriente Petrolero, da Bolívia e o León de Huánuco, do Peru.
História da Pré-Libertadores
O mata-mata antes da etapa de grupos da Libertadores foi iniciado no ano de 2005, quando o Palmeiras representou o País nesta fase. Diante do Tacuary, do Paraguai, o clube de Palestra Itália conquistou um empate por 2 a 2, fora de casa, e assegurou a vaga ao vencer por 2 a 0, no Palestra Itália.
O Palmeiras, aliás, é o clube brasileiro que mais participou da Pré-Libertadores, com três passagens por esta etapa. De volta ao classificatório em 2006, o time alviverde encarou o Deportivo Táchira, da Venezuela, e não teve dificuldades para avançar no torneio - vitórias de 2 a 0, em São Paulo, e 4 a 2, em San Cristóbal.
No mesmo ano, o Goiás também entrou na disputa por uma vaga à etapa de grupos. Contra o Deportivo Cuenca, do Equador, a equipe esmeraldina empatou a partida de ida, fora de casa, por 1 a 1, e massacrou os equatorianos por 3 a 0 no Serra Dourada, em partida que marcou o primeiro triunfo do clube contra um adversário estrangeiro em uma competição oficial.
A última vez que o arquirrival corintiano disputou o pré-torneio foi em 2009, justamente no ano o qual encontrou mais facilidade. Apresentando uma equipe ofensiva e promissora, que contava com nomes como Keirrison, Cleiton Xavier e Diego Souza, o Palmeiras goleou o Real Potosí por 5 a 1, no Palestra Itália, e venceu por 2 a 0, da Bolívia.
Depois do Palmeiras, o time brasileiro que mais jogou na Libertadores foi o Cruzeiro, em duas oportunidades. A primeira vez do time mineiro ocorreu em 2008, quando o clube encarou um difícil adversário: o Cerro Porteño, do Paraguai. Entretanto, com duas belas atuações, a agremiação de Belo Horizente seguiu para a etapa de grupos da competição mais importante da América do Sul - 3 a 1, no Mineirão, e 3 a 2, em Assunção.
O Cruzeiro novamente precisou da Pré-Libertadores para jogar a fase de grupos no ano passado. Diante do fraco Real Potosí, a equipe, na época comandada por Adilson Batista, massacrou. Depois de empatar por 1 a 1 na altitude boliviana, o clube mineiro goleou por 7 a 0 e assegurou uma vaga na segunda fase.
Santos e Paraná foram os outros representantes brasileiros na Pré-Libertadores, ambos no ano de 2007. A equipe da Vila Belmiro, dirigida por Vanderlei Luxemburgo na época, encarou o Blooming, da Bolívia, e passeou - vitórias por 1 a 0, fora de casa, e goleada por 5 a 0, na Vila Belmiro.
Por outro lado, os paranaenses enfrentaram uma maior dificuldade para disputar pela primeira vez a fase de grupos da principal competição sul-americana. O clube de Curitiba enfrentou o Cobreloa e conquistou um magnífico resultado de 2 a 0 no Chile. Tranquila, a agremiação tricolor segurou um empate por 1 a 1 em casa.
Maldição das oitavas de final
Em contrapartida à perfeição da classificação à etapa de grupos, os times brasileiros que passam pela Pré-Libertadores enfrentam uma "maldição" na competição: a eliminação nas oitavas de final. Apenas o Santos, semifinalista em 2007, e Palmeiras e Cruzeiro, que chegaram às quartas de final em 2009 e 2010, são a excessão à regra.
Em 2005, primeiro ano da Pré-Libertadores, o Palmeiras encontrou o São Paulo, que seria campeão do torneio futuramente, nas oitavas de final e não resitiu. Na primeira partida acabou derrotado, em pleno Palestra Itália, após um golaço marcado por Cicinho, o qual decretou a vitória mínima do time tricolor.
No segundo duelo, o São Paulo, tranquilo no confronto por ter vencido fora de casa, fez 2 a 0 no Estádio do Morumbi e rumou à frente na competição a qual conquistaria pela terceira vez no mesmo ano.
E o clássico paulista, e a "maldição da Pré-Libertadores", se repetiu em 2006. Novamente nesta etapa, Palmeiras e São Paulo se encontraram, e novamente o time tricolor prosseguiu no torneio - empate por 1 a 1 no Estádio Palestra Itália e vitória por 2 a 1 no Morumbi para os comandados de Muricy Ramalho, técnico da equipe na época.
No mesmo ano, o outro representante brasileiro na Pré-Libertadores, o Goiás, também caiu nas oitavas de final. Derrotado pelo Estudiantes por 2 a 0 na Argentina, o time esmeraldino conseguiu a difícil missão de bater o rival no Serra Dourada. Entretanto, o resultado de 2 a 0 foi insuficiente para o clube do Centro-Oeste avançar na competição.
Em 2007, alheio à excelente campanha do Santos, o Paraná caiu nas oitavas de final para o Libertad, do Paraguai. Na primeira partida, em Curitiba, o time paranista perdeu por 2 a 1 e se complicou no confronto. Precisando de uma vitória por dois gols de diferança em Assunção, o clube tricolor não passou de um empate por 1 a 1 e foi eliminado.
A última vítima da "maldição das oitavas de final" acabou sendo o Cruzeiro. Em 2008, o clube mineiro encarou o Boca Juniors nesta etapa e não resistiu ao time argentino, que na época defendia o título da Libertadores. Duas derrotas por 2 a 1, primeiro em Buenos Aires, e em seguida em Minas Gerais, tiraram a equipe brasileira da competição sul-americana.


RIARIAIRAIRAIRIARIARIARIRIRIAIARARIRIAR'
 
RIAIRIIARIAIRIAIRAIIRAIRIAIRIAIRARIAIRA
si pa corinthians nunca vai ve libertadores *o*
so no playstation :(
 
UHAUHAUHAUHUAHUAHUAHUHAUHAUHAHAUHA
 
LacosTe Escreveu:RIAIRIIARIAIRIAIRAIIRAIRIAIRIAIRARIAIRA
si pa corinthians nunca vai ve libertadores *o*
so no playstation :(


só no playstation tion (8)