•  
     

Mortes de jogadores de futebol :/

Mark Vivien Foé (Yaoundé, 1 de maio de 1975 — Lyon, 26 de junho de 2003)

Imagem



Foé foi o primeiro jogador relativamente conhecido no futebol moderno a morrer em campo. O camaronês que teve passagens por West Ham e Lyon, estava emprestado ao Manchester City, quando em uma partida válida pela Copa das Confederações de 2003 contra a Colômbia, o jogador desabou no meio de campo. Médicos tentaram reanimá-lo, mas apesar dele ainda ter chego com vida ao hospital, Foé morreu vítima de uma cardiomiopatia hipertrófica. Tão deprimente quanto a tragédia, eram os trocadilhos do tipo “ele foé embora” que eram feitos à exaustão pelo Brasil. Como homenagem, a camisa número 23 do Manchester City e 17 do Olimpique de Lyon que foram utilizadas por Foé foram aposentadas, e um memorial em sua homenagem foi erguido no estádio City of Manchester. Tão irônica quanto trágica foi uma frase dita pelo ex jogador à seus companheiros no intervalo de seu último jogo, 30 minutos antes de morrer: “Garotos, mesmo se for preciso morrer no gramado, nós temos que vencer esta semi-final”.

Miklós Fehér (Tatabánya, 20 de julho de 1979 — Guimarães, Portugal, 25 de janeiro de 2004)

Imagem



No dia 25 de Janeiro de 2004, enquanto o mundo ainda estava abalado com a morte de Foé, uma nova tragédia acontecia nos gramados de Portugal. Miklós Fehér (com 24 anos na ocasião) que atuava pelo Benfica, na tentativa de ganhar tempo, impediu um arremesso lateral do adversário sendo advertido com um cartão amarelo. Logo após, o húngaro se sentiu mal e caiu desacordado no gramado. O que chamou a atenção na morte, foi um contrastante sorriso sarcástico lançado pelo jogador segundos antes dele desabar. Fehér foi levado ainda com vida ao hospital, mas antes da meia noite daquele dia sua morte foi anunciada, tendo sido anunciada como causa uma fibrilhação ventricular devido a uma cardiomiopatia hipertrófica. Em sua memória o Benfica aposentou o número 29 que era utilizado por ele.





Serginho (Vitória, 19 de outubro de 1974 — São Paulo, 27 de outubro de 2004)

Imagem



Essa foi talvez a morte de maior impacto no Brasil. Em 27 de outubro de 2004 em partida válida pelo Campeonato Brasileiro, Paulo Sérgio Oliveira da Silva, então no São Caetano, sofreu um ataque cardíaco aos quinze minutos do segundo tempo. Após sua morte, foi constatado que Serginho sabia que sofria de problemas cardíacos, mas mesmo assim optou por continuar a jogar. O São Caetano perdeu 24 pontos na tabela e o seu médico foi afastado. A morte de Serginho e a punição do seu clube abriu os olhos de todos os outros times que passaram a ser mais rígidos nos exames médicos de cada atleta. O jogador faleceu com 30 anos.
 
jeffin Escreveu:Mark Vivien Foé (Yaoundé, 1 de maio de 1975 — Lyon, 26 de junho de 2003)

Imagem



Foé foi o primeiro jogador relativamente conhecido no futebol moderno a morrer em campo. O camaronês que teve passagens por West Ham e Lyon, estava emprestado ao Manchester City, quando em uma partida válida pela Copa das Confederações de 2003 contra a Colômbia, o jogador desabou no meio de campo. Médicos tentaram reanimá-lo, mas apesar dele ainda ter chego com vida ao hospital, Foé morreu vítima de uma cardiomiopatia hipertrófica. Tão deprimente quanto a tragédia, eram os trocadilhos do tipo “ele foé embora” que eram feitos à exaustão pelo Brasil. Como homenagem, a camisa número 23 do Manchester City e 17 do Olimpique de Lyon que foram utilizadas por Foé foram aposentadas, e um memorial em sua homenagem foi erguido no estádio City of Manchester. Tão irônica quanto trágica foi uma frase dita pelo ex jogador à seus companheiros no intervalo de seu último jogo, 30 minutos antes de morrer: “Garotos, mesmo se for preciso morrer no gramado, nós temos que vencer esta semi-final”.

Miklós Fehér (Tatabánya, 20 de julho de 1979 — Guimarães, Portugal, 25 de janeiro de 2004)

Imagem



No dia 25 de Janeiro de 2004, enquanto o mundo ainda estava abalado com a morte de Foé, uma nova tragédia acontecia nos gramados de Portugal. Miklós Fehér (com 24 anos na ocasião) que atuava pelo Benfica, na tentativa de ganhar tempo, impediu um arremesso lateral do adversário sendo advertido com um cartão amarelo. Logo após, o húngaro se sentiu mal e caiu desacordado no gramado. O que chamou a atenção na morte, foi um contrastante sorriso sarcástico lançado pelo jogador segundos antes dele desabar. Fehér foi levado ainda com vida ao hospital, mas antes da meia noite daquele dia sua morte foi anunciada, tendo sido anunciada como causa uma fibrilhação ventricular devido a uma cardiomiopatia hipertrófica. Em sua memória o Benfica aposentou o número 29 que era utilizado por ele.





Serginho (Vitória, 19 de outubro de 1974 — São Paulo, 27 de outubro de 2004)

Imagem



Essa foi talvez a morte de maior impacto no Brasil. Em 27 de outubro de 2004 em partida válida pelo Campeonato Brasileiro, Paulo Sérgio Oliveira da Silva, então no São Caetano, sofreu um ataque cardíaco aos quinze minutos do segundo tempo. Após sua morte, foi constatado que Serginho sabia que sofria de problemas cardíacos, mas mesmo assim optou por continuar a jogar. O São Caetano perdeu 24 pontos na tabela e o seu médico foi afastado. A morte de Serginho e a punição do seu clube abriu os olhos de todos os outros times que passaram a ser mais rígidos nos exames médicos de cada atleta. O jogador faleceu com 30 anos.

cara fazendo boka boka dexava morrer mais naum fazia isso kkkk
 
vai tomar no seu __ dkt , olha oq vc fala !

vai se fude veio ,
 
lemao^ Escreveu:vai tomar no seu __ dkt , olha oq vc fala !

vai se fude veio ,


cala boka vooc manu eu tava zuando fii..Se acha que eu naum ia ajudar o maluko vida em jogo ou se machista prefiro salvar fika xiu aeew
 
pqp é ____ neeah
mo triste