•  
     

J&F desiste de comprar Delta após quebra de sigilo de construtora

O comando da holding J&F vai anunciar oficialmente nesta sexta-feira a decisão de não consumar a compra da empreiteira Delta, da qual é gestora. O grupo fez uma opção de compra, mas decidiu não a exercer.

A intenção do grupo é se manter apenas como gestor e criar uma empreiteira chamada J&C. Pesou para decisão a quebra do sigilo fiscal da construtora, feita pela CPI de Cachoeira.

Posteriormente, ele deve ficar com a parte da Delta (como seus equipamento) e inclui-la no novo empreendimento.

CPI aprova quebra de sigilos da Delta em todo o país
JBS faz lobby para preservar contratos da Delta com a União

Na noite de quinta-feira, Joesley Batista, presidente da holding, admitiu a possibilidade de abandonar o negócio se houvessse risco à sobrevivência da Delta: "Estou muito pensativo: será se a empresa aguenta ficar tanto tempo sob suspeita?", perguntou a interlocutores.

A empreiteira é investigada por parlamentares e pela Polícia Federal por envolvimento com o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, acusado de corrupção e de comandar um esquema de jogo ilegal.

O negócio entre a J&F e a Delta foi anunciado no último dia 9. O contrato preliminar dava direito à J&F de substituir a estrutura administrativa da Delta, incluindo presidente, diretores e membros do Conselho de Administração. O acordo também previa um rígido processo "de auditoria" nos próximos meses. Somente após os resultados desta diligência seria ou não exercida uma opção de compra.

CPI

A empreiteira Delta é apontada pela Polícia Federal como braço financeiro do esquema de Cachoeira. No último dia 29, a CPI no Congresso que investiga o suposto esquema aprovou a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico em todo o país.

A Delta é a empresa que mais recebeu verbas do Orçamento do Executivo federal desde 2007.