•  
     

Francesa Total anuncia investimentos na cana brasileira

O conglomerado petrolífero francês Total anunciou na terça-feira planos de entrar no setor brasileiro da cana de açúcar por meio da sua parceira de tecnologia Amyris, a fim de produzir diversos produtos bioquímicos.

A meta da Total, em sociedade com grupos brasileiros, é responder por 5 a 10 por cento da produção total de cana do Brasil até 2020, e usar isso para desenvolver uma nova geração de biocombustíveis e produtos químicos.

"Vamos produzir etanol provavelmente durante alguns anos, mas a intenção no final é fabricar produtos químicos como biolubrificantes, biocombustíveis de aviação, bioquímicos e biodiesel a partir da cana de açúcar", disse Philippe Boisseau, presidente da Total Gas and Power.

A Total tem 22 por cento das ações da Amyris, que vem desenvolvendo a tecnologia dos chamados biocombustíveis de segunda geração.

A empresa usa micro-organismos para produzir um biodiesel muito parecido com o combustível fóssil. A produção depende da garapa extraída da cana brasileira.

Entre os investidores da Amyris há fundos ligados à Kleiner Perkins Caufield & Byers, Khosla Ventures e TPG Biotechnology Partners. A empresa arrecadou 84,8 milhões de dólares na sua oferta pública inicial de ações, em setembro.

Seu primeiro projeto, uma usina de cana que produz apenas etanol, em parceria com o grupo brasileiro São Martinho, começará a operar em 2012.

Boissieau disse que a produção de biocombustíveis é uma das estratégias da total para atender à crescente demanda mundial por energia. "A cana no Brasil é a única forma de produzir bioprodutos limpos sem subsídios, sem desmatamento e sem competição com os alimentos", disse Boisseau em entrevista coletiva.

O setor brasileiro de álcool e açúcar há alguns anos vem se tornando um grande alvo para investimentos de grandes empresas de energia, como BP, Petrobras, Exxon Mobil e Royal Dutch Shell.

Ao contrário da maioria dos seus concorrentes, a Total pretende ter vários parceiros locais. "É preciso mais do que uma grande empresa do petróleo com um monte de capital para ter sucesso, especialmente no Brasil," disse John Melo, executivo-chefe da Amyris. "Esse é um erro que muita gente tem cometido", afirmou ele, acrescentando que é crucial ter tecnologia e um "parceiro certo."

Fonte: www.estadao.com