•  
     

EEEEEEEEEEEEEEE VASCO --' desepcionando denovo -.- RIRAIRAIRAIRAIRAI

O momento é delicado em São Januário. Isso porque, nesta quinta-feira, no Engenhão, pela terceira rodada do grupo A da Taça Guanabara, primeiro turno do Campeonato Carioca, o Vasco perdeu sua terceira partida consecutiva na competição ao ser derrotado pelo Boavista por 3 a 1. O resultado negativo complicou a vida do técnico Paulo César Gusmão, que corre sério risco de demissão.

rritada com mais uma derrota do Vasco, que igualou o “feito” do Carioca de 1984, quando foi superado por Campo Grande, Bangu e Americano nas três primeiras rodadas da competição, os torcedores cruzmaltinos livraram apenas o goleiro Fernando Prass e o zagueiro Dedé. Sobrou, inclusive, para o presidente Roberto Dinamite.

Tony, Frontini e André Luís fizeram os gols do Boavista, que pulou para sete pontos, na terceira posição, perdendo para o Resende nos critérios de desempate. O Flamengo, com nove, lidera o grupo. O tento cruzmaltino, lanterna da chave, foi assinalado por Marcel.

“Nada para falar da substituição. Sobre a torcida, ela pode reivindicar e xingar. Porém, num momento dificial, teria que estar ao nosso lado. Os verdadeiros vascaínos apoiaram o time quando ele estava na Série B. O Vasco nem está perto disso e já reclamam”, desabafou Felipe, que foi substituído por Jeferson aos 35 minutos do primeiro tempo.

Na próxima rodada, o Vasco tem o clássico contra o Flamengo, neste domingo, às 19h30 (horário de Brasília), no Engenhão. No mesmo dia, só que no horário das 17h (horário de Brasília), o Boavista encara o Americano no Estádio Godofredo Cruz, em Campos.
O jogo

Com o seu time “ideal” pela primeira vez na temporada, o Vasco entrou em campo disposto a encerrar o momento ruim no Campeonato Carioca. O início até foi animador, mas o gol do Boavista marcado por Tony, aos 16 minutos do primeiro tempo, jogou tudo embora.

A partir daí, o nervosismo tomou conta da equipe. A parada técnica era a chance de Paulo César Gusmão “arrumar a casa”. Porém, a situação piorou ainda mais quando Frontini, aos 28 minutos, marcou o segundo do Boavista.

Com a desvantagem no placar, Paulo César Gusmão, aos 35 minutos, tirou Felipe e colocou Jeferson. O camisa 6 deixou o gramado muito vaiado e xingado pelos torcedores. Logo depois, machucado no joelho esquerdo, Ramon foi substituído por Max.

Nos minutos do finais do primeiro tempo, Fernando Prass ainda evitou o terceiro do Boavista, nos chutes de Frontini e André Luís, enquanto Jeferson, num bonito chute de fora da área, quase diminuiu para o Vasco.

“Não tem o que explicar. Estamos tentando jogar, mas nada funciona. O que não pode é o Vasco se acovardar. Vamos tentar virar no segundo tempo”, disse Carlos Alberto, na saída para o intervalo.

O Vasco retornou para o segundo tempo totalmente sem o apoio da torcida, que começou a gritar “olé” na troca de passes do Boavista. Porém, aos 12 minutos, isso começou a mudar de figura quando Marcel diminuiu para o time cruzmaltino.

Mesmo ainda sem brilhar, o gol deu um fôlego a mais para o Vasco. A torcida passou acreditar no time e resolveu apoiar. Aos 14, Eder Luis, lesionado, foi substituído por Enrico.

Após a parada técnica, o jogo virou “ataque contra defesa”. O Vasco, entretanto, quase levou o terceiro gol na falta cobrada por Tony, que bateu na trave. Aos 30 minutos, o Cruzmaltino poderia ter empatado num pênalti, mas o árbitro assinalou fora da área a falta de Pessanha em Eduardo Costa.

Na parte final da partida, o Vasco, já desesperado, foi na base do “tudo ou nada” em busca do empate. Deu espaços para os contra-ataque e levou o terceiro gol, assinalado por André Luís, aos 44 minutos. Fim de jogo: Boavista 3 a 1.

uol ;
 
Vasco é a _______ do coco do cavalo do bandido rsrsrs
 
calem a boca , rum
 
aspkoapkospoas,