•  
     

De volta ao clube, Obina quer apagar briga e se diz pronto para estrear

Quase três anos depois, Obina está de volta ao Palmeiras. E com um largo sorriso no rosto. Contratado por empréstimo do Shandong Luneng, da China, até o fim do ano, o atacante foi apresentado nesta terça-feira, mostrou estar em forma e avisou que quer enfrentar o Coritiba nesta quinta-feira, pelo Campeonato Brasileiro – basta seu nome aparecer no BID (Boletim Informativo Diário) da CBF até o fim desta tarde. Ele vestirá a camisa número 21.
Ao receber a camisa das mãos do vice-presidente Roberto Frizzo, Obina não hesitou em tirar o uniforme de treino que vestia, mostrando a forma física que exibe atualmente – visivelmente mais magro e pronto para jogar.
– Estou me sentindo muito bem, em forma. Claro que não posso ganhar muito peso, mas estou em um patamar que eu gosto. Espero não dar trabalho para a nutricionista e fazer tudo direitinho para ajudar o Palmeiras. Se o professor quiser, posso estrear.
Além de fazer gols e disputar vaga com Barcos e Betinho, o centroavante precisa apagar da memória do torcedor a briga que motivou sua saída do clube, em novembro de 2009. Até hoje, Obina se mostra chateado com a discussão que teve com o zagueiro Maurício Nascimento, hoje no Joinville. Após uma derrota para o Grêmio, no Estádio Olímpico, os dois trocaram socos na saída do gramado e foram demitidos logo depois da partida.
Tenho o pensamento de ficar e disputar a Libertadores. Já joguei três, e quero outra oportunidade para tentar o título"
Obina
Apesar de reconhecer o erro pela briga, Obina entende que a crise não foi tão bem conduzida pela diretoria da época – o presidente era Luiz Gonzaga Belluzzo. O atacante não queria sair, e volta ao Palmeiras para tentar completar um ciclo que não conseguiu naquela temporada.
– Aquilo poderia ter sido conversado, eu estava disposto a abrir mão de várias coisas para ficar, e nada foi conversado. Mas tenho que entender, fizemos um mal para a imagem do Palmeiras. Agora acho que posso me redimir, mostrar que aquele episódio foi um erro que não posso mais cometer – afirmou Obina.
O atacante não estipulou uma meta de gols, mas pretende fazer o suficiente para renovar contrato e poder jogar a Taça Libertadores no ano que vem – o Verdão já está classificado graças ao título da Copa do Brasil. O Palmeiras, por meio de um fundo de investimentos, vai pagar US$ 300 mil (R$ 626 mil) pelo empréstimo, e já há preço fixado para o caso de o clube adquirir os direitos econômicos de forma definitiva.
– Tenho o pensamento de ficar e disputar mais uma vez a Libertadores. Já joguei três (duas pelo Flamengo, uma pelo Palmeiras), e quero outra oportunidade para tentar o título – desejou o atacante.
  •