•  
     

Com facilidade, Brasil vence fraca equipe do Quênia na estreia do Mundial

Foi fácil, muito fácil. O Brasil nem precisou se esforçar muito para vencer o fraco time do Quênia por 3 sets a 0, com parciais de 25-15, 25-16 e 25-11, em uma hora e um minuto, na estreia do Mundial feminino de vôlei, na cidade de Hamamatsu, no Japão.

A seleção brasileira, que antes do Mundial perdeu as ponteiras Paula Pequeno e Mari, contundidas, estreou na competição com três outros desfalques. Natália, com uma tendinite no ombro direito, Adenízia, com lesão no cotovelo direito, e Sheilla, com dores nas costas, foram poupadas.

Assim, o time que começou o jogo foi formado pela levantadora Dani Lins, as ponteiras Sassá e Jaqueline, as centrais Thaísa e Fabiana, a oposto Joycinha e a líbero Fabi.

Contra um adversário formado por jogadoras praticamente amadoras, algumas até acima do peso, o Brasil controlou todas as ações do jogo. A levantadora Dani Lins variou bastante as jogadas. Quatro atletas do Brasil terminaram a partida com mais de dez pontos, sendo que Jaqueline foi a maior pontuadora da partida, com 12 bolas no chão.

"O Quênia não é um time para marcar mais de 15 pontos na gente em um set. E eu tentei distribuir bem o jogo, fazer o feijão com arroz", disse Dani Lins, que fez a sua estreia em Mundiais.

A seleção só perdeu um pouco da concentração depois do primeiro tempo técnico, quando o Quênia encostou no marcador. Mas dois bons ataques de Jaqueline e alguns erros das adversárias colocaram a situação de novo nos eixos. A seleção, então, fechou a parcial em 25 a 15, com um ataque de Joycinha.

O segundo set foi um pouco mais apertado. A seleção demorou a deslanchar no placar. Mesmo assim, o técnico José Roberto Guimarães seguiu tranquilo ao lado da quadra, sem dar bronca nas jogadoras. Jaqueline, com um bom ataque, fez 25 a 16.

A primeira bronca de Zé Roberto aconteceu apenas no terceiro set, quando Dani Lins errou um levantamento. E foi só. Depois, a seleção marcou 10 pontos seguidos, manteve o domínio do jogo e fechou a parcial por 25 a 11.

"O jogo foi como a gente estava esperando. A gente sabe que na estreia é sempre assim, com essa ansiedade. Bonito foi ver o time do Quênia vibrando com todas as bolas", disse Zé Roberto. "Nos dois primeiros sets não jogamos bem, mas eu gostei do terceiro set. A gente jogou mais solto, mais tranquilo", completou.

O Brasil agora volta a jogar neste sábado, às 2h (de Brasília), contra a República Tcheca. Na primeira fase a seleção ainda vai enfrentar Holanda, Porto Rico e Itália.