•  
     

Cientistas mapeiam genomas do morango e do cacau

Equipes de cientistas decifraram os códigos genéticos do morango silvestre e de um certo tipo de cacau usado para fazer chocolates finos, um trabalho que deve ajudar os produtores a desenvolverem melhores variedades de produtos alimentícios.

O morango silvestre está intimamente relacionado com produtos alimentares importantes, como maçãs, pêssegos, peras e framboesas, assim como morangos cultivados, fazendo com que esse mapa genético ajude na produção de novas variedades, disseram os pesquisadores.

"Agricultores têm realizado cruzamentos dessas culturas ao longo de séculos para melhorar suas características, fazendo com que elas tendam a ter grandes genomas complicados, mas o genoma do morango silvestre é relativamente pequeno e nos dá acesso a todos esses genes úteis com relativa facilidade", disse Dan Sargent, do Conselho de Pesquisas Científicas em Biotecnologia e Ciências Biológicas da Grã-Bretanha (BBSRC, na sigla em inglês), que trabalhou no projeto.

Em um estudo publicado na revista Nature Genetics, no domingo, Sargent e uma equipe internacional de pesquisadores afirmam ter descoberto que o genoma do morango silvestre tem cerca de 35.000 genes, cerca de uma vez e meia o número dos seres humanos, e a maioria desses também estão presentes nas variedades cultivadas.

"Isso vai acelerar a investigação que levará à melhoria das culturas, especialmente de morangos comerciais", disse Todd Mockler, da Oregon State University, um dos pesquisadores da equipe nos Estados Unidos.

"Isso poderia levar a uma fruta que resiste a pragas, cheira melhor, é tolerante ao calor, exige menos fertilizantes, tem uma vida mais longa nas prateleiras, tem um gosto melhor ou uma aparência melhor."

Em um outro estudo no mesmo jornal, pesquisadores franceses disseram ter seqüenciado quase a totalidade do genoma da variedade crioula do cacau, "Theobroma cacao" --produto de árvores tropicais usado para fazer chocolate.

O trabalho que, segundo os cientistas, encontrou cerca de 29.000 genes, cerca de 76 por cento do genoma, deverá contribuir para o melhoramento genético das culturas de cacau. A árvore de cacau foi cultivada pela primeira vez cerca de 3.000 anos atrás, e cerca de 3,7 milhões de toneladas de cacau são produzidas a cada ano atualmente.

O grupo de trabalho dos genes do morango, que envolveu mais de 70 investigadores em cinco continentes, sequenciou o genoma da planta selvagem, quebrando-o em milhares de pequenos segmentos que foram sequenciados individualmente e remontados.

Os cientistas disseram que em agosto haviam decodificado e publicado quase todo o genoma altamente complexo do trigo, um alimento básico para mais de um terço da população mundial.

Fonte: Estadao