•  
     

Batllefield Bad Company 2

Batllefield Bad Company 2

Imagem

"Battlefield: Bad Company 2" continua com a aposta da Electronic Arts e o estúdio DICE em criar campanhas elaboradas, com maior desenvolvimento narrativo, voltadas para os consoles de mesa (ainda que o PC receba sua versão também) da consagrada série de tiro em primeira pessoa, "Battlefield". É uma experiência diferente da tradicional ação da série, que foi lançada originalmente como um produto voltado apenas para a jogatina online.
A tal "Bad Company" do título corresponde ao apelido de um esquadrão militar secreto composto por soldados de histórico sujo e comportamento condenável. Eles são "bucha de canhão", dispensáveis e sem nada a perder, o que os torna ainda mais perigosos. E são tais sujeitos que entram na linha de frente em um combate que pode definir o futuro do planeta, depois que EUA e a Rússia entram em conflito aberto em uma espécie de realidade alternativa.

O jogo é uma clara resposta ao sucesso de "Modern Warfare 2", da Activision. Assim como o rival, este novo exemplar de "Battlefield" se divide em dois pacotes distintos; uma campanha para um jogador com toques cinematográficos e um modo online robusto. Ambos se aproveitam de mapas extensos, com recriações de florestas tropicais, desertos orientais e geleiras polares. O uso de objetos e construções destrutíveis foi herdado do antecessor, mas com melhorias que permitem que prédios inteiros sejam derrubados em vez de apenas algumas paredes.

O recurso de demolição é um importante aspecto que torna a ação da franquia ainda mais ágil e estratégica. O jogador passa a poder criar suas próprias passagens diante do cerco inimigo e, ainda, escolher a forma de destruição: é possível derrubar paredes com granadas, explosivo plástico ou com a mais pura força bruta ao colidir um tanque de guerra em pontos críticos. Aliás, os veículos chegam arrasando em todas as categorias, entre helicópteros de combate, quadriciclos e blindados leves, além de barcos e motos.