•  
     

Arrastão deixa motoristas em pânico na Linha Vermelha. Carros são incendiados

RIO - Um arrastão provocou pânico entre motoristas na tarde deste domingo. Bandidos interditaram a pista sentido Centro da Linha Vermelha entre os quilômetros 13 e 14, na altura da Favela de Vigário Geral, puseram fogo em três carros e atacaram o Doblô KVQ-4065 da Diretoria de Material do Comando da Aeronáutica (Comaer). Eles dispararam oito tiros contra o carro e explodiram uma granada nele. O motorista, o sargento Renato Fernandes da Silva, foi rendido e só conseguiu escapar saindo pela porta do carona.

Alguns motoristas tentaram fugir na contramão da via, o que provocou mais tumulto no local. Policiais do Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRv) informaram já ter controlado a situação. Segundo eles, homens armados com fuzis teriam interrompido o trânsito da via expressa, na altura da passarela de Vigário Geral. Ainda segundo os policiais, o bando não chegou a roubar nada das pessoas e fugiu logo em seguida. O Corpo de Bombeiros foi acionado para controlar as chamas. Não há registro de feridos.

Nos últimos meses, a polícia vem investigando essa nova modalidade de crime, na qual bandidos incendeiam veículos. Segundo setores de inteligência da polícia, esse tipo de atentado está acontecendo a mando dos chefes do tráfico, com o objetivo de causar pânico na população, uma vez que estão perdendo o controle de favelas para as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).

Na noite do 10 de novembro, dois homens numa moto jogaram coquetéis molotov em dois carros estacionados na Rua Paulo VI, perto do Morro Azul, no Flamengo. Um bandido que estava na carona da moto quebrou os vidros de um Celta e de um Fiesta estacionados, jogando os coquetéis molotov. As chamas destruíram os veículos. Na Via Dutra, no Jardim América, um Voyage pegou fogo, mas não se sabe se foi um atentado. Dois carros foram queimados por homens armados de fuzis e pistolas no Riachuelo e na saída do Túnel Noel Rosa, em Sampaio. No dia 8, outros dois veículos foram atacados da mesma forma na Estrada Grajaú-Jacarepaguá.
Motorista morre em tentativa de arrastão na Rio-Magé

A onda de arrastões foi responsável por mais um episódio trágico no fim da noite de sábado, desta vez na BR-116 (Rio-Magé), em Duque de Caxias, Baixada Fluminense. Paulo Cesar Alves, de aproximadamente 40 anos, que segundo as primeiras informações seria funcionário da Reduc, morreu com um tiro no tórax durante uma tentativa de arrastão na rodovia. Depois de balear a vítima, os oito homens armados que participaram da ação fugiram sem levar nada.

O bando estava em três carros, entre eles um Celta, que foi abandonado no local. Por volta das 23h10m, eles fecharam uma das faixas da pista sentido Rio. Paulo Cesar estava com a mulher e o filho no carro da família, um Gol, e colidiu contra o Celta dos assaltantes. Um deles atirou duas vezes com uma pistola calibre 380. Paulo Cesar, que seria morador de Caxias, foi socorrido e levado para o Hospital estadual Adão Pereira Nunes, no mesmo município, mas não resistiu.

A quadrilha fugiu em direção à comunidade conhecida como Dois Campos, também em Caxias. Ninguém foi preso. Logo após o crime, o motorista de um veículo não identificado ainda bateu na traseira do Gol de Paulo Cesar. Um dos ocupantes ficou ferido levemente. O caso foi registrado na 62ªDP (Imbariê).

A Polícia Rodoviária Federal, no entanto, tem outra versão: tentativa de assalto. Segundo a polícia, dois bandidos em um carro não identificado teriam mandado o motorista encostar, mas Paulo César Alves não parou. A vítima foi atingida por dois tiros. Após ser baleado, Paulo bateu em dois carros. Duas pessoas que estavam nos outros veículos ficaram levemente feridas. Todos foram levados para o hospital de Saracuruna, mas Paulo César não resistiu.

Desde o final de setembro uma série de arrastões vem assustando motoristas em vários pontos do Rio. No dia 29 de setembro, na Rua Faro, no Jardim Botânico, na Zona Sul da cidade, quatro homens armados com pistolas e granadas fecharam a rua. Pelo menos seis pessoas foram vítimas dos criminosos. Dois dias antes, em São Conrado, bandidos haviam fechado a Estrada do Joá e assaltaram os ocupantes de quatro carros, o segundo na região ataque em quinze dias. Na mesma semana, uma quadrilha de 15 homens armados com fuzis e pistolas aterrorizou motoristas no Jacaré. No dia 28 de setembro, um bandido foi morto e um PM, que reagiu ao assalto, ficou ferido durante um arrastão na Pavuna. Por causa da onda de arrastões, o governo trocou o comando dos batalhões da Polícia Militar e prometeu usar helicópteros para combater os bandidos.

Fonte: Globo