•  
     

Advogado de Cachoeira desabafa!

Imagem

Preso pela Polícia Federal (PF) na manhã desta sexta-feira (6), Adriano Aprígio de Souza, ex-cunhado do contraventor Carlinhos Cachoeira, admitiu ter mandado um dos três e-mails enviados à procuradora Léa Batista. A afirmação é do advogado dele, Ronivan Peixoto. Mas, segundo o defensor, a mensagem não continha nenhuma intimidação ou ameaça. "Num momento de desespero, de depressão, ele tomou essa atitude. Foi um desabafo", afirmou ao G1.
Segundo o advogado, Aprígio enviou o e-mail que pergunta por que Léa Batista "foi tão dura demais" com os investigados. No texto, ele afirma que, por pouco, a procuradora não destruiu a família dele e acabou com seu trabalho lícito. Por fim, diz: "Não sou _____, sei que serei identificado, mas vou provar que sou inocente, que sou trabalhador e vítima ao ser equiparado aos demais (maioria) denunciados".

Peixoto protocolou, nesta tarde, na Justiça Federal de Goiânia, um pedido de revogação na prisão de Aprígio.
saiba mais
Cachoeira não tem relação com tentativa de intimidar MP, diz mulher
Ex-cunhado de Cachoeira é preso suspeito de ameaçar procuradora
Procuradora do caso Cachoeira sofreu nova ameaça, diz associação
MPF denuncia Cachoeira e mais 80 envolvidos na máfia dos caça-níqueis
"Não tem palavras injuriosas ou ameaças", argumenta Peixoto. De acordo com o advogado, Aprígio "nega peremptoriamente" que tenha enviado os outros dois e-mails, com conteúdos mais ofensivos e até ameaçadores à procuradora e sua família. Essas mensagens eletrônicas teriam sido enviadas de uma lan hause, em Anápolis. "Ele diz que nunca esteve em uma lan house", defende Peixoto.

O advogado conta que Aprígio se sentiu injustiçado com o indiciamento no inquérito da Operação Monte Carlo. Apontado pelo PF e Minsitério Público Federal como principal testa-de-ferro de Cachoeira, o ex-cunhado nega que atue como laranja do contraventor. "Tudo que ele conseguiu foi com muito trabalho", diz Peixoto.
Aprígio atua como advogado, corretor de imóveis e é sócio do laboratório Vitapan, em Anápolis. Segundo Peixoto, ele detem apenas 5% da empresa. Os outros 95% são da irmã, ex-mulher de Cachoeira. "Ele até chegou a comprar uma parte maior na empresa, mas não teve como pagar e devolveu para a irmã", diz o defensor, que é primo do cliente e o descreve como um "moço pacato" e "de família".

Andressa Mendonça, afirmou ao G1 que comunicou o marido na manhã desta sexta-feira (6) sobre a prisão de Adriano Aprígio. Segundo ela, o marido ficou "estarrecido e magoado" com a informação do envolvimento do ex-cunhado e deixou claro que não teve participação em tentativas de intimidação a integrantes do Ministério Público.